Degustadores Sem Fronteiras | A TOSCANA É UMA FESTA!
3443
post-template-default,single,single-post,postid-3443,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,

BLOG

A TOSCANA É UMA FESTA!

16 ago 2016, Posted by degustadoresfronte in Notícias e Artigos

por Aguinaldo Záckia Albert

Não resisti e tomei emprestada  a frase de Hemingway se referindo a Paris para definir a experiência que acabo de viver nessa região italiana de beleza incomparável. A TOSCANA PROMOZIONE  se associou à FIJEV- Fédération Internationale des Écrivains de Vins et Spiritueux – da qual faço parte – e organizou uma viagem inesquecível por terras etruscas entre os dias 13 e 18 de fevereiro. Aceitei prontamente o convite e, como estávamos próximos do Carnaval (e como prefiro  os prazeres da mesa e do espírito aos desfiles na avenida) acabei chegando em Firenze (ou devo escrever Florença?) já no sábado. O frio, a chuva e o vento açoitavam as pessoas nas ruas  e mais uma vez pude ter a experiência de um Carnaval em pleno inverno europeu, com temperaturas rondando o grau zero.

Mas é  bom acordar no domingo, abrir a janela e ver a neve fina caindo. Poder ficar bem abrigado no hotel, depois de una buona colazione, sem nenhuma outra obrigação, pegar um bom livro ao lado da lareira e ficar lendo é ainda melhor. Um sol majestoso surgiu por volta do meio-dia — sinal de iria começar minhas andanças –uma aparição que voltaria a acontecer na maioria dos dias que se seguiriam, criando a combinação perfeita para quem visita uma cidade com o patrimônio cultural de Firenze: sol e frio.

Nesses quatro dias pude revisitar os lugares imperdíveis da cidade: o magnífico Duomo com seu Batistério, a Galeria dei Uffizi com sua enorme coleção de obras primas do Renascimento, a Piazza della Signoria , onde se encontra o Pallazzo Vecchio, e tantas outras maravilhas. Cruzando o rio Arno pelo  Ponte Vecchio, batido por um vento  cortante, pela primeira vez segui bem mais adiante e pude conhecer o magnífico Pallazzo Pitti, uma construção atribuída a Brunelleschi, que começou a ser construída em 1457 por ordem do banqueiro Luca Pitti, grande rival da família Medici. O Pallazzo é grandioso e espetacular, mas sua construção acabou levando  os Pitti à ruína, que acabaram tendo de vendê-lo aos sempre  poderosos Medici. O acervo artístico do museu é fabuloso (dezenas de Rafaeis,  Tintorettos e Botticellis, para citar só alguns ) e foi para mim a grande novidade dessa cidade que não para de nos surpreender.Mas isso é uma outra história. Vamos ao trabalho.

O Carnaval terminou e chegou o dia 13, quarta-feira de cinzas, mas nem por isso cessaram os prazeres. Chegaram os  companheiros de viagem, um grupo de doze  jornalistas de várias partes do mundo, e estávamos todos prontos para enfrentar a intensa e variada programação dos próximos dias.

A BUY WINE FAIR

Após o jantar de recepção  da véspera, iniciamos o dia na   Fortezza  Da Basso,  antiga fortaleza dentro do perímetro urbano da cidade, onde aconteceria a terceira edição da BUY WINE, uma feira de vinhos toscanos que vem ganhando a cada ano mais espaço nas agendas dos compradores. Nesse ano tivemos 282 bons produtores que puderam mostrar seus vinhos a compradores de 36 diferentes países, além de inúmeros jornalistas.

As exportações dos vinhos da Toscana vêm crescendo ano a ano, e representam hoje 15% do total exportado pela Itália, vindo logo atrás das regiões do Vêneto e do Piemonte. Produtores das  mais prestigiadas regiões toscanas  estavam presentes como as DOCs e DOCGs Chianti Classico, Chianti, Vino Nobile di Montepulciano, Brunello di Montalcino , além de vários Supertoscanos e IGTs. A feira, muito bem organizada, teve a duração de dois dias, durante os quais pudemos provar muito bons vinhos, com destaque para os produtores Bindella (Montepulciano),Caparzo (Montalcino), Mastrojanni (Montalcino), Poderi del Paradiso (San Gimignano) , Poggio alla Querce-Mola (Bolgheri), Querceto di Castellina (Chianti Classico), Tenute Niccolai-Palagetto (San Gimignano),Badia a Coltibuono (Gaiole in Chianti), Rocca dei Castagnoli (Gaiole in Chianti)e San Felice (Siena), para citar só alguns.

ENOTURISMO DE LUXO

A visita a produtores de vinho de primeira linha que também atuassem na área do Agriturismo de luxo, como chamam os italianos, também fazia parte do roteiro. Assim, após dois dias de feira, na tarde da quinta-feira, pusemos o pé na estrada e rumamos para o CASTELLO VICCHIO MAGGIOwww.vicchiomaggio.it , em Greve in Chianti, dentro da zona do Chianti Classico. Seu proprietário é o carismático John Matta, um inglês filho de italianos que voltou à pátria para dirigir a empresa de seu pai, Federico Matta,que a comprou  com o dinheiro ganho como executivo em Londres.

Situado a 18 km de Firenze, o belo palácio foi construído numa alta colina que domina todo o vale de Greve. A vista do local é belíssima e o austero castelo, cuja parte mais antiga foi construída no século XV, abriga parte do hotel, o restaurante e a velha capela. Uma outra construção ao lado, esta moderna  — onde me hospedei – abriga mais oito apartamentos para hóspedes. Seus vinhos são excelentes, desde seu Chianti Classico Riserva “Vigna La Prima” 2009 , um Sangiovese in purezza de muita personalidade, até a grande estrela da casa , o FSM 2007, tido como o melhor Merlot da Itália e que custa a pequena fortuna de € 205 no produtor.

Na manhã seguinte fomos para a região de Arezzo, onde visitamos o produtor IL BORRO www.ilborro.it , cujo hotel faz parte da rede RELAIS CHÂTEAU. A enorme e luxuosa propriedade pertence ao um dos magos da moda internacional, o Sr. Ferruccio Ferragamo, que imprimiu seu bom gosto de forma indelével à propriedade. Um antigo lugarejo medieval , o Borgo,(com direito a uma encantadora igreja), que fica ao lado da sede,foi comprado , restaurado e suas casas adaptadas para receber seus hóspedes. A sede principal, onde fica também a boutique Ferragamo, a vinícola e o restaurante, abriga o corpo principal do Relais Château, e só pode ser alugado integralmente para um único grupo pelo preço de € 8 000 a diária. Esse prédio pode acolher até vinte pessoas, tendo sido locado recentemente para o casamento de um casal de indianos endinheirados. As casas do Borgo tem preços mais acessíveis aos pobres mortais, cerca de € 400 por dia.Seus vinhos são importados pela

A comida do restaurante , à beira da piscina, é muito boa e criativa, como pudemos constatar no almoço. Os vinhos são bons, mas não excepcionais, Il Borro IGT 2008 IGT Toscana, um corte de 50% de uva Merlot, 35% Cabernet Sauvignon e 15% Petit Verdot. Chegam ao Brasil trazidos pela importadora Épice.

Nesse mesmo dia, ao final da tarde, chegamos à região de Cortona, onde foi rodada a novela global “Passione”, de tanto sucesso, e o belíssimo filme “Sob o céu da Toscana”. Creio que a menção de tais fatos me desobrigam de descrever a beleza do local. Em termos de vinho, a TENIMENTI D´ALESSANDRO www.tenimentidalessandro.it foi a que mais me surpreendeu, pois Cortona não é uma região muito conhecida e não tem o destaque dos outros vinhos toscanos. Dentre os vinhos servidos pelo jovem casal de enólogos que nos recebeu vale a pena citar o IL BOSCO 2009 CORTONA SYRAH DOC e o mesmo vinho da safra de 2007, um Syrah in purezza excelente, que ganhou o prêmio de Melhor Syrah da Itália e 4º lugar no Concurso Syrah do Mundo. Os vinhos chegam ao Brasil pelas mãos da Mistral.

O longo dia terminou no Relais Il Falconiere & Spa www.ilfalconiere.it , também em Cortona, onde jantamos e degustamos os vinhos. Infelizmente tivemos muito pouco tempo para ficar nesse lugar encantador, com antigas casas de pedra espalhadas pelas colinas, entre oliveiras e vinhedos, um lugar muito agradável que conseguiu mesclar a rusticidade toscana com um elegante e contido luxo. Seu proprietário, Riccardo Baracchi, e sua jovem e simpática esposa, que também ministra os cursos de cozinha para os hóspedes, recebem muito bem e a comida é muito boa. Ali também funciona o Ristorante Relais Il Falconiere. Bem próximo, na cidade de Cortona, são donos também da Cantine Baracchi-Cortona, onde jantamos.  Na verdade, Riccardo é un vero falconiere,ou seja, um criador de falcões de caça e nos mostrou alguns exemplares de sua criação. Sua TENUTA BARACCHI produz azeite de oliva (como quase todos os produtores visitados) e vinhos Cortona DOC o Vin Santo UT 2011, fermentado em barricas e elaborado com a uva Trebbiano.

A VISITA A MONTEPULCIANO

Já estamos no sábado e logo cedo partimos para Montepulciano, poucos quilômetros ao sul de Cortona e de Siena.Essa encantadora cidade medieval se situa no topo de uma alta colina, cercada por muralhas e fortificações, de onde se pode vislumbrar todo o sul da Toscana e parte da vizinha Úmbria. O melhor lugar para se fazer isso é a varanda do charmoso Caffé Poliziano, na via del Corso, tomando um caffé ristretto. Caminhando pelas suas ruas estreitas, iluminadas pelo sol apenas quando este está a pino, pode-se sentir o frio do inverno toscano com maior intensidade do que em qualquer outra cidade da região.Mesmo assim o prazer da caminhada entre os inúmeros pallazzi e pela praça do Duomo é indizível.Quem tiver algum tempo extra (e não foi o meu caso, pelo menos desta vez), deve visitar o Tempio di San Baggio, a igreja em estilo do alto Renascimento que fica fora dos muros, na estrada para Pienza.

A cidade se notabilizou pelo seu famoso vinho, o Vino Nobile di Montepulciano,e naquele dia acontecia a inauguração da ANTEPRIMA de seus vinhos, organizada pelo Consorzio del Vino Nobile di Montepulciano, na antiga Fortezza da cidade. A Ante Prima acontece nessa mesma época a cada ano em cidades como Firenze, Montalcino, San Gimignano e Montalcino, e é uma prévia dos vinhos que chegarão ao mercado na primavera . No caso de Montepulciano, a safra de 2010 para o Vino Nobile – safra por sinal muito boa –, a safra de 2009 para o Vino Nobile Riserva e a de 2011 para o Rosso di Montepulciano DOC , o Vin Santo di Montepulciano e outros vinhos do território. Bastante concorrida e contou com a presença dos mais importantes produtores da região. Os destaques ficaram para os produtores  Boscarelli, Avignonesi, Contucci, Tenuta Valdipiatta e Gattavecchi.

Nessa mesma noite, um belo jantar foi servido ao nosso grupo e também a outros compradores e jornalistas na FATTORIA IL CERRO MONTEPULCIANO, a poucos quilômetros da cidade, onde nos hospedamos em seu moderno e agradável empreendimento de agriturismo. Uma interessante palestra com degustação foi realizada antes do jantar pelo renomado enólogo Riccardo Cottarella.

A RETOMADA DO TOUR : BORGO SAN FELICE E CAPANELLA

O domingo nos aguardava com um sol radiante, que tornava a paisagem toscana ainda mais bela. Rumamos então para a pequena cidade de Castelnuovo Berardenga, bem próximo a Siena, para visitarmos o produtor BORGO SAN FELICE www.borgosanfelice.it e seu maravilhoso hotel, também filiado à rede RELAIS CHATEAU. Nessa viagem em que as belezas se sucediam, havíamos chegado então ao seu ponto mais alto. O proprietário é o grupo alemão de seguros Allianz, que fez um investimento milionário nessa magnífica propriedade e a restaurou. Borgo San Felice é uma cidadezinha medieval fundada  no ano de 714 que, durante sua longa história, passou por sangrentas disputas entre os tradicionais rivais da região, Siena e Firenze. A restauração se iniciou em 1991 e o borgo se transformou nesse luxuoso hotel da rede Relais & Château. A concepção arquitetônica da vila, suas casas  de pedra, capelas, praças e ruas pitorescas tiveram sua autenticidade mantida, tudo aliado a muito conforto e a uma sutil elegância.

Sua localização é privilegiada. Situado a poucos quilômetros de Siena e no alto de uma colina, em meio a vinhedos e olivais, oferece a seus visitantes um panorama da região de tirar o fôlego. Os hóspedes se hospedam nas antigas casas restauradas e gozam de uma série de serviços do hotel : spa, restaurante, bar, piscina, etc.. Além disso , podem beber os excelentes vinhos ali produzidos e seu delicioso azeite de oliva, o melhor que provei durante toda a viagem. Merecem destaque seu excelente Chianti Classico Riserva Poggio Rosso 2007, elaborado com as uvas de seu melhor vinhedo, e o sensacional Olio di Oliva Extra Vergine “ Il Velato” 2012.  Infelizmente o produtor não tem importador no Brasil. A direção da vinícola está a cardo do simpático libanês Jamil Ghanem, há muitos anos radicado na Itália, que nos recebeu com grande cortesia.

Nosso próximo destino seria Gaiole in Chianti onde está sediada a SOCIETÀ AGRICOLA CAPANNELLE www.capannelle.com . A propriedade está localizada no topo de uma alta colina com vista para o vale e a pequena cidade de Gaiole in Chianti. SE o Borgo San Felice era grandioso, o Wine Resort Capannelle www.capannellewineresort.com é pequeno e muito acolhedor. São apenas cinco apartamentos bem confortáveis e mobiliados com bom gosto, como acontece com todo o resort, que tem também ótima cozinha. Cooking Classes para pequenos grupos podem ser feitos ali. Seu proprietário é um milionário que também dirige o grupo internacional de turismo Orient Express.  A produção de vinícola é pequena ( 80 000 garrafas/ano) de vinhos de alta gama, com muita qualidade e preços também altos. Merecem destaque seu Chardonnay Capannelle 2010, amplo e muito complexo (€ 45 a garrafa) e o majestoso Supertoscano 50X50 2008 IGT Toscana, 50% Sangiovese, 50% Merlot, produzido em parceria com o produtor Avignonesi, de Montepulciano (€100 a garrafa).

A ANTEPRIMA DO CHIANTI CLASSICO

Após uma noite bem dormida —após o jantar com degustação – na AZIENDA AGRICOLA DIEVOLE SPA www.dievole.it , em Dievole, próximo a Siena, saímos logo cedo para Firenze, onde nos aguardava o último compromisso, a ANTEPRIMA do Chianti Classico, organizada pelo CONSORZIO VINO CHIANTI CLASSICO, hoje presidida por nosso amigo Sergio Zingarelli, produtor dos vinhos Rocca delle Macie.

Sei que a magnitude do evento mereceria toda uma reportagem, mas aqui vão apenas algumas linhas devido à exiguidade de espaço. A mostra acontece todo ano nessa mesma época, em 2013 nos dias 18, 19 e 20 de fevereiro.Esta é a sua 20ª edição e faz parte com destaque da agenda dos comerciantes de vinho de todo o mundo. Dela fazem parte os mais importantes produtores dessa prestigiosa DOCG –  Denominazione di Origine Controlatta e Garantitta, que puderam mostrar sas últimas afras dos Chianti Classico (2011, 2010, 2009, 2008), dos Chianti Classico Riserva (2010, 2009, 2008, 2007) além dos melhores Supertoscanos desses mesmos produtores.

A belíssima Stazione Leopolda –antiga estação de bondes de Firenze reformada para esta nova finalidade – abrigou 135 produtores da região habilitada a usar a etiqueta do Gallo Nero, que mostrou mais de 500 vinhos . Como havia acontecido nos anos precedntes em que ali estive, chamou a atenção a impecável organização do evento — que recebeu centenas de operadores de todo o mundo – e alta qualidade dos vinhos. Dentre os produtores mais destacados menciono: Castello di Fonterutoli, Marchesi Antinori, Badia a Coltibuono, Rocca di Castagnoli, Fontodi, além de todos os produtores que visitamos emuitos outros mais.

Finalmente, depois de um dia regado a belos vinhos, peguei meu taxi rumo ao aeroporto para minha volta ao Brasil. Mas ainda guardava na boca o sabor dos maravilhosos crus da Toscana.

  • ADILSON SANTOS

    Muito Bom !
    É fascinante aprender sobre a magia do vinho , suas centenárias histórias e seus protagonistas.
    Conheço muitos roteiros , mas ainda estou aprendendo sobre vinhos e sua cultura milenar .

    Obrigado !!
    Adilson Santos – Latam Travel – Viagens Enoturísticas Especiais

    Responder

Post a comment