Degustadores Sem Fronteiras | A PUGLIA E SEUS VINHOS
3338
post-template-default,single,single-post,postid-3338,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,

BLOG

A PUGLIA E SEUS VINHOS

16 ago 2016, Posted by degustadoresfronte in Notícias e Artigos

Apesar do grande prestígio que gozam as regiões mais setentrionais, o sul da Itália é o verdadeiro berço do vinho italiano. É a ela que os gregos se referiam quando chamavam a península de Enotria , a “Terra dos Vinhos”, quando ali estabeleceram suas colônias, tal a boa adaptação da videira nesta terra de colinas e planícies de clima ameno.

Esta região mediterrânea, graças à sua posição geográfica de proximidade com o Oriente Médio e o norte da África, sofreu a influência de vários povos e culturas que cruzavam este mar interior, tendo sido a grega a mais marcante. Esta Itália helenizada era conhecida como Magna Grécia e a influência da cultura grega do vinho sobre ela foi enorme.

Molise, Campânia, Basilicata, Calábria , fazem parte dela, mas é a Puglia a região mais importante, tanto pela enorme produção de seus vinhedos, quanto pelo destaque recente que seus vinhos vem merecendo.

A Puglia é calcanhar e o salto da “bota” que é a Itália, e se estende por uma faixa de quase 400 km pela costa do Mar Adriártico. Seu clima tipicamente mediterrâneo e a composição calcária de seu solo a tornam ideal para o plantio de uvas. Sua topografia é também muito favorável para a grande produção de uvas, sendo em sua maior parte plana.

A área coberta por vinhedos atinge 190 000 ha, e sua produção só se iguala à da Sicília, chegando a produzir cerca de 17% dos vinhos deste país que é o segundo maior produtor de vinhos do mundo. A maior parte deste vinho é ainda de qualidade inferior, comercializado a granel ou engarrafado como Vino da Tavola, sendo também muito grande a parcela utilizada para a produção de vermutes. Apenas 2% da produção podem ostentar a expressão DOC, Denominazione di Origine Controllata, em seus rótulos.

O sistema de cooperativas é responsável por 60% dos vinhos da Puglia. Nos últimos anos, muitas delas passaram por dificuldades financeiras, como nos relata Jancis Robinson em seu The Oxford Companion to Wine, mas outras tantas se beneficiaram bastante com a contratação de enólogos experimentados do Novo Mundo.
REGIÕES, UVAS E VINHOS

Como acontece com todo o sul do país, a Puglia tem uma rica variedade de uvas nativas, que fazem o charme de seus vinhos nesses tempos de globalização. Na parte mais ao norte, próxima a San Severo, predominam a SANGIOVESE e a TREBBIANO, e sua produção responde por cerca de 30% dos vinhos DOC da região. A MONTEPULCIANO e a BOMBINO BIANCO são cultivadas perto da província de Foggia. A UVA DI TROIA, base dos DOC Castel del Monte, Rosso Canosa e Rosso Barleta, predomina na parte central da região.

Mas é na parte mais meridional, na península de Salento, que estão os vinhos mais finos, em sua grande maioria tintos. Ali vamos encontrar as tintas autóctones NEGROAMARO que, como o nome denuncia, dá vinhos de grande concentração de cor com toque amargo, e a MALVASIA NERA, que produz vinhos mais leves e aromáticos, formando as duas, quando combinadas, um feliz e equilibrado casamento. Esta mescla dá origem aos vinhos DOC da região: Salice Salentino, Copertino, Squinzano, Leverano e Brindisi, sendo este último um vinho que vem obtendo grande destaque por sua textura macia, corpo generoso e riqueza de aromas e de sabores (ameixa, chocolate, caça), um bom exemplo do que a região pode produzir em termos de qualidade.

A uva PRIMITIVO , segundo os últimos estudos ampelográficos a mesma Zinfandel da Califórnia, é também muito plantada, dando origem a vinhos potentes e bastante encorpados com o DOC Primitivo di Manduria.

As chamadas uvas internacionais têm presença discreta região, com algum destaque para a CHARDONNAY , cultivada principalmente na área de Salento.

A presença de inúmeros enólogos internacionais – os chamados “flying winemakers” — que chegaram à região nos últimos anos e melhoraram bastante seus vinhos, deu origem a uma série de vinhos varietais de boa qualidade, geralmente utilizando a nova denominação de IGT, como o Negroamaro del Salento e o Uva di Troia di Puglia.

São seis os vinhos IGT da Puglia: Salento, Tarantino, Valle d’Itria, Daunia, Le Murge e Puglia.

Os vinhos DOC da Puglia são 25, cuja relação é a seguinte: Aleatico di Puglia, Alezio, Brindisi, Cacc’e mmitte di Lucera, Castel del Monte, Copertino, Galatina, Gioia del Colle, Gravina, Leverano, Lizzano, Locorotondo, Martina, Matino, Moscato di Trani, Nardò, Outra Nova, Ostuni, Primitivo di Manduria, Rosso Barletta, Rosso Canosa, Rosso di Cerignola, Salice Salentino, San Severo e Squinzano.

AGUINALDO ZÁCKIA ALBERT

Post a comment